Ao Vivo – Poeira Zine Fest III

“O Melhor da Música do Melhor dos Tempos”. O “slogan” do PoeiraZine pode parecer pretensioso no primeiro momento. Mas quando a gente conhece a publicação do Bento Araújo e principalmente quando comparece ao Poeira Fest, simplesmente é obrigado a concordar. A publicação, que tem quase 4 anos de existência tem mostrado o que de melhor ocorreu na Música  na melhor fase criativa do Rock, não apenas como movimento musical, mas social. Chegando agora ao seu cabalístico número 13, a Poeira Zine (porque ainda “Zine” Bentão?) comemorado com a PoeiraZine Fest III, no Centro Cultural São Paulo, em um final de semana de feriado prolongado.

O primeiro dia, o único que pude comparecer infelizmente, foi a Sexta-Feira, 8 de Setembro. O frio intenso que assolou a cidade nos últimos dias deu uma trégua. Parece que os Deuses do Rock entenderam e decidiram dar uma mão. O horário e o lugar não são o que normalmente rola em termos de Festas de Rock: 7 de noite, Sala Adoniran Barbosa com cadeiras e tal, mas é bem melhor do que aqueles fumacentos botecos cheirando a bebida barata e sujeira.

Sabia que além da ótima música tocada pela banda Rock and Roll Soul,  iria encontrar alguns amigos que há tempos não via. E assim aconteceu. Logo na entrada encontro o grande Abdalla,  o Ian Gillan dos Trópicos , que atualmente na outra banda do Bento, a “Born Again”, cuja idéia nasceu de um projeto nosso “Trifásico”, onde Abdalla interpretava essa fase do Black Sabbath. Sento-me ao seu lado e a banda entra. É meio chato agitar o som sentado naquelas cadeiras, mas a gente dá um jeito.

A noite é dedicada a “Nata” do Rock de todos os tempos: “Cream” e seus filhotes “Mountan” e  “West, Bruce and Laing”. Falar sobre essas bandas é totalmente dispensável, basta dizer que o Cream foi uma das bandas que criou o chamado “Rock Pesado” e tinha ninguém menos que “Deus” na guitarra.

A Rock And Roll Soul tem além do próprio Bento no baixo, Marcião com sua barba ZZTop na guitarra, Ivan na batera e Ricardo Alpendre, nos vocais e abre a apresentação em grande estilo com “I’m So Glad”.  E daí segue com um repertório que tem a Nata da Nata e autênticos e genuínos clássicos do Rock, como “Badge”, “Dreams of Mink And Honey”, “For Yasgur’s Farm”, “Swlabr”, “I Feel Free”, Politician” , “White Room” , “Mississipi Queen” e outras. Segundo palavras do próprio Ricardo a banda “não deseja imitar o inimitável”. E eles conseguem senão imitar o inimitável, ao menos mostrar o que o Rock tem de melhor e contar um pouco da história da Melhor Música de Todos os Tempos, o Rock. Aliás, como um parêntese nessa questão “história”, Alpendre mostra que além de ser ótimo cantor tem um conhecimento muito grande da história do Rock, pois antes de cada música, conta a história da mesma ou oferece detalhes e curiosidades da letra.

A energia da Rock And Roll Soul é ótima, os vocais de Alpendre são precisos e claros e a guitarra parece um brinquedo nas mãos do Marcião, não apenas pelo seu tamanho mas pela maneira como ele brinca fácil com o instrumento. Uma “cozinha”  muito competente nas mãos do Bento e do Ivan completam o time que ainda contou com participações muito especiais: o excelente batera Robson Pontes, o guitarrista Michel Leme e o vocalista Abdalla, com inclusive um “Grand Finale” com os dois vocalistas contando em dueto e os dois guitarristas. Apresentação de primeira, mas que pelo horário espremido do Centro Cultural, pareceu um pouco curta demais, menos de uma hora e meia.

No final da apresentação ainda encontro com um antigo conhecido dos tempos de “Rolê da Estrada” com a Patrulha do Espaço, o guitarrista Gabriel (ainda usando a camiseta da ”2ª. Fest’A Barata“) da banda “Homem Com Asas” de São Carlos, que inclusive hoje mora em São Paulo e toca com a banda “Violeta de Outono”, banda que fez o segundo dia da PoeiraZine Fest III, que infelizmente não pude comparecer.

9/8/2006

Set List:
Homem Carbono
Ser
Deus Devorador
São Paulo City
Vou Rolar (PW)
Festa do Rock
Não Tenha Medo
Cão Vadio (NB, Baixo)
Bomba
Depois das 11
Meus 26 Anos (PZ, Bateria)
Olho Animal
Arrepiado
Robot (FM, Baixo)
Columbia
Meus 26 Anos (Bis – Soneca – Baixo)

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários