Crônica – O Homem, o Poeta e o Giraçol

Existia um poeta, que entre falsos amores, perdido num tempo, amarrado a um sonho, perdia sua existência em desejos nunca cumpridos, em orgasmos maltratados e sonhos esfacelados. Um poeta que sempre buscava o que não sabia e perdia antes mesmo de achar. Um homem que abraçara a escuridão quando a luz lhe fugira feito pombas assustadas.

Existia um poeta cuja própria morte o seduzia, o combalia e se desnudava. Um homem cuja arte era pintada em negro e pinçada em dor. E se debatia o homem dentro de sua própria escuridão e combatia o homem, incapaz de lutar, dentro de sua própria imensidão.

Existia um homem que acreditando nas palavras de outro, sabia ser fácil abraçar a poesia, mas muito, muito difícil beijar sua própria vida. Um homem e um poeta existiam prontos a morrer por causas que não os queriam, por musas desrespeitosas e insensíveis. Sem saber que musas não são feitas aos poetas e os poetas não são feitos ás musas.

Dormia sempre o poeta com seus sonhos e acordava sempre encharcado de suor de pesadelos nus que o oprimiam e o sufocavam, até ter novamente desejo de morte. Porque a morte era sempre sua concubina e ele sabia que, devoradora de corações ela nunca o deixaria em paz.

E assim o poeta e o homem se digladiavam em seus sonhos, confundiam-se em suas vidas, cada um querendo tomar o lugar do outro. Hora era o poeta querendo se fazer homem – homem porque poeta é sempre menino -, hora era o homem querendo ser poeta – e portanto ser menino. E nenhum aceitava seu próprio lugar dentro do outro. Um era o homem, outro era o poeta. E ambos mentiam um ao outro.

E assim caminhavam, se amando e se odiando, o Homem e o Poeta. Se odiavam a cada dia e se iludiam de que poderiam estar livres um do outro, embora a verdadeira consumação e a verdadeira comunhão entre os dois, nenhum deles entendesse. Ambos tinham medo de si próprios. E do medo que um tinha do outro nascera um hediondo ser, nem homem nem poeta, apenas amante da morte e de suas amantes lésbicas.

Existia um homem que cavava diariamente sua própria destruição com o poeta ao seu lado, rindo e gargalhando. Cavando a sepultura com suas próprias mãos nuas, o homem percebia o poeta abraçado com a morte, achando que apenas seu próprio reflexo num espelho. E assim seguiam suas vidas, se acaso podemos de vida chamar tal mesquinha e escura existência.

Mas um dia, quando o homem e o poeta empenhados na mais ferrenha de suas batalhas pessoais chegavam ao limite de suas forças, cansaram de lutar entre si e jogaram suas armas ao chão. Ambos se abraçaram e choraram feito meninos e perceberam que nenhuma batalha entre eles teria um vencedor e principalmente a eles a morte não era nem a amante, nem o destino.

Transubstanciados e metamorfoseados, fundidos num só corpo e numa só alma. Eles eram agora um. O Poeta e o Homem. Nesse momento um sino tocou, na mais alta torre repicado pelas hábeis mãos do Universo chamou aquele novo ser que ali nascia. E foi ele, agora não mais apenas homem e nem mais apenas poeta, mas a fusão perfeita entre eles em direção a luz que o sino lhe indicava.

E pela primeira vez, aquele ser a quem chamaremos apenas de EU pode caminhar com a alegria da vida por campos forrados de giraçóis, pode caminhar pelos largos braços da felicidade sentindo a alegria da vida pulsar em suas veias. E pela primeira vez EU pode dizer que entende realmente ao sentido pleno da palavra AMOR.

2/10/2010

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários