Poesia – Dentes das Bocas dos Lixos

Quando retira dentes podres de bocas de carniça
O mercenário dentista muito pouco sente
Colocando em seu lugar uma fraca dentadura postiça
Possuindo bocas enormes cheias de podre dentes
Que esqueceram a maneira de soletrar justiça.

Bocas tortas sem estética ao mercenário dentista
Colocadas em um bonito rosto da grande cidade
Que graças a dores de dentes sustentam um paraíso capitalista
Possuindo um porco gosto de dente cariado ou falsidade
Com uma secretária que tem uma dentadura de artista.

Bocas gritando por uma justiça de dentes sadios
Clamando por dentistas honestos inexistentes
Que lhes tratem das dores sem causar danos arredios
Sem diferença a que animal pertencem esses dentes
Antes de caiem por tratamentos tardios.

Em lugar dos dentes arrancados colocaram dentaduras de prata
Sem aplicar ao menos sequer uma anestesia
Que aqueles dentes podres a consciência maltrata
Cobrindo a dor que sente com a hipocrisia
Então pensando assim o próprio de assassino contrata.

Dentes podres é bom quando são arrancados
Por dentistas cujas bocas são podres por serem distraídos
Porque a dor ou o incômodo dos dentes obturados
Impedindo que precisem de serem extraídos
É maior que cuidar dos dentes com certos cuidados

01/07/1978

Do Livro:
“Arquíloco”, 1981

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

DEPOIMENTO

Poesia boa, pura, em compasso de sofrimento. É preciso colocar esses poemas logo em letra de forma, impressa e ponto final. - Página do Livro - Diário Popular - 21/08/1981
Henrique Novak
São Paulo - SP
5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários