Poesia – Herdeiros

Quantos poemas ainda serão escritos até que a morte esteja consumada
E quantas mortes ainda serão necessárias até que a poesia seja exumada?
Há muito que estou morto, há tempos que não enxergo o meu reflexo
Tanto tempo que nem lembro e tanto que nem consigo estar perplexo.

A poesia morreu quando eu nasci e renascerá depois da minha morte
Ah, mas que sujeito idiota eu sou, que nem posso contar com a sorte
E se minhas rimas se repetem entre o morrer e ganhar grana alguma
É porque não encontro as palavras certas, então repito qualquer uma.

Quantos poemas tolos ainda hei de escrever antes que possa morrer?
Lamentos nulos, réplicas tolas, antes que a morte venha me socorrer
Mas e então, o que dirão meus filhos diante de minha carcaça velada?
Decerto algo a respeito de após o velório beberem uma cerveja gelada.

Mas e se acaso alguma recompensa advir da sanha de poeta maldito
Tratarão de pegar a senha da conta corrente e tudo que não foi dito
E então eu que nunca fui bom o suficiente, um pornográfico santo
Serei coberto com farda de imortal como se aquilo fosse um manto.

E é meu desejo e meu testamento escrito em letras de computador
Que importância alguma lhes seja entregue pelo fruto da minha dor
Pois riam enquanto minhas carnes eram trituradas e moídas sem dó
E agora, perante a imortalidade, minha herança é apenas o meu pó.

Sento em um banco da praça destruída e cheia de merda de pombos
Apanho meu caderno e conto sobre minhas escadas e meus tombos
E por não ter sobrenome de poeta português pomposo por herança
Guardo minha angustia na carteira, junto com as notas de cobrança.

Ah, meus filhos, quanta confusão existe nas suas mentes encardidas
Quantas mentiras lhes foram contadas, quantas verdades escondidas
E eu que sem louvor ensinei a não crerem em tudo aquilo que leem
Agora peço com fervor que não leiam apenas aquilo em que creem.

E se um dia, nos espaços em branco entre palavras que eu não escrevi
E no silêncio daquelas que eu não disse e das mortes que eu sobrevivi
Perceberem gritos de dor e pedidos de socorro, não é a sua imaginação
Pois será ali que eu estarei, imortal e lúcido, manchando sua reputação.

07/02/2014

Do Livro:
Troco Poesia Por Dinamite
Editor’A Barata Artesanal, 2014

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários