Poesia – “Squirt” de Uma Buceta Raspada

Arranco os pelos da tua buceta com gilete de barba
E aparo os pelos do te cu, que não gosto de rebarba
Minha língua na tua vulva, e uma buceta sabor uva
E jorras em minha garganta toda água da tua chuva.

Deixa agora eu enfiar meu pinto inteiro no teu rabo
Pois há tempos que na tua bunda eu não me acabo
E enquanto meus dedos enterro todos na tua gruta
Pedes-me que eu te foda e te morda feito prostituta.

Jorre em mim teu gozo, deixa escorrer pelas pernas
Pois há nos teus líquidos todas as verdades eternas
E se nos teus delírios és feito a hetairas ou bacantes
Em realidade carregas contigo o gozo dos amantes.

Se o gozo é a verdade liquida, jorre em mim tua natureza
E lance o suco da tua fruta e o mel amargo da tua dureza
E se gozos são verdades líquidas, brindemos ao prazer total
Pois líquidos escorrem e não vive pleno o que não é mortal.

22/11/2013

Do Livro:
Troco Poesia Por Dinamite
Editor’A Barata Artesanal, 2014

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários