Poesia – Versos Orgânicos – 18 – Me Odeia!

E nas últimas horas apenas fodemos, trepamos e gozamos
Nos últimos tempos que passaram apenas de nós gostamos
Mas agora é hora de pensar naqueles que tem o nosso ódio
Aqueles que em nossos doces puseram bicarbonato de sódio.

Lembra-te então, cara e deliciosa puta que comigo agora fode
Daqueles a quem odeias, pois agora tudo é possível, tudo pode
Pensa que é com eles que trepas e que gozas com a sua vagina
Porque é muito mais doloroso gozo do que ódio que imagina.

Aliás, comeces então a pensar em mim, pois ao acabar esta foda
Eu a deixarei jogada num canto, feito roupa suja e fora de moda
Fodas com todo o seu ódio, aquele de quem não está mentindo
E assim estarás liberta de qualquer dor que possas estar sentindo.

Por acaso é preciso que entendas que não quero fazer amor
Apenas lhe foder, lhe causar delírios e entender seu clamor
E que o ódio e a dor que lhe causo são por bem do seu gozo
Porque o tesão é de todos os mistérios decerto o mais gozoso.

Do Livro:
“Versos Orgânicos”, 2012
Editor’A Barata Artesanal

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários