The Atomic Bitchwax, As Putas Atômicas de Cera

Uma das coisas que mais fascinam minha pessoa é a descoberta de coisas diferentes e principalmente criativas em termos de Rock’n’Roll. Com a Internet isso acabou sendo facilitado, não sendo incomum descobrir bandas que eu, apesar do longo tempo de estrada, não conhecia. Geralmente por acaso, um link carregando a outro e de repente está lá: uma nova preciosidade. E ontem, dia de meu aniversário, essa descoberta teve o gosto de presente. Alguém colocou um “link” do Youtube de uma música.. E dai, clica daqui, de acolá e alhures…. E cheguei a uma das melhores coisas que escutei nos últimos tempos: “The Atomic Bitchwax”, que numa tradução livre significa algo como “Puta Atômica de Cera”, um trio americano com aquela formação básica de Guitarra/Baixo/Bateria.

“The Bitchwax Atomic” surgiu em 1992 no estado de New Jersey, Estados Unidos, como um projeto paralelo do guitarrista Ed Mundell, do Monster Magnet, do baixista e vocalista ex-Godspeed  Chris Kosnik, e do baterista Keith Ackerman. Apenas depois de quase sete anos o trio grava e lança seu álbum de estréia auto-intitulado álbum de estréia.

Bebendo na fonte caudalosa da música dos anos 70, especialmente da Psicodelia, do Space Rock e do Hard Rock, o The Bitchwax Atomic passa então a produzir um Rock de alta octanagem, ou seja, incendiário e explosivo. O primeiro disco da banda sai em 1999 pelo selo independente MIA, que faliu apenas um ano mais tarde. Felizmente, o grupo foi imediatamente abocanhado por Tee Pee Records, por onde lançam o segundo disco, em 2000, “Atomic Bitchwax II”, que firma o explosivo Mundell como estrela da banda.  No início de 2002 lançam seu terceiro disco para um terceiro selo, o Meteor City, “Spit Blood”, um EP. Após o lançamento, Mundell retorna ao Monster Magnet e Kosnik começa uma nova banda chamada Black NASA prenunciando o fim da banda. Em 2005, Kosnik e Ackerman, desta vez com Finn Ryan (ex-Core) na guitarra remontam a banda e lançam “3”, o terceiro álbum, em Junho de 2005 através da Meteor City. Em 2009 lançam “4” e em 2006 sai uma coletânea “Boxriff” que inclui um DVD ao vivo filmado na Tavern Seattle Sunset, como bônus. Em 2009, Ackerman deixa o grupo e em seu lugar entra Bob Pantella e eles lançam “TAB 4” que inclui uma sensacional versão de “Astronomy Domine”, do Pink Floyd.  Em 2011 o The Bitchwax Atomic lança “The Fuzz Local”, ostentando uma faixa única de 42 minutos. E com um detalhe: totalmente instrumental, bem ao estilo das grandes bandas de Rock Progressivo dos anos 70. E Junho de 2012, a banda inicia a turnê de divulgação de “The Local Fuzz” por toda a Europa. A agenda da banda exibe 20 datas de show, apenas no mês de Junho de 2012, incluindo Itália, Alemanha e Áustria.

O interessante na biografia da banda é que o site oficial parece ignorar as formações anteriores, pois em “Bio”, falam da história da banda apenas com base na formação atual. “Chris Kosnik, Finn Ryan, e Bob Pantella começaram a planejar suas carreiras musicais de volta em meados dos anos 90 influenciado pelo Rock e anos 70 grupos progressistas que vão de Black Sabbath a Parliament Funkadelic….”

Enfim, o “The Atomic Bitchwax” é uma banda que demonstra que, ao contrário do que muita gente alardeia por ai, o Rock não está dormindo, muito menos morto, basta que as pessoas parem de escutar as mesmas coisas do passado, apenas porque são velhas e ou que parem de atirar pedra em todas nas bandas novas, apenas porque são novas. Existe o novo e existe o velho. E existe o atemporal. E o Rock, por principio e na essência é atemporal. E os tempos estão mudando, já disse no passado Bob Dylan, o velho.

Site Oficial: http://theatomicbitchwax.com

26/06/2012

Formações:

• Julie Worland: Vocal
• Luci: Guitarra
• Amanda Smith-Skinner: (“The Bitch”): Baixo
• Nikki: Piano, Flauta
• Joanne Heeley: Bateria
• ‘Babe’ (Alexandra): Guitarrra, Côros
• ‘Beast’ (Tony): Guitarra em “Motor Driven Bimbo”
• Chloe: Sex Magick Priestess
• Kali: Sex Magick Priestess
• Suna Dasi: Sex Magick Priestess

Discografia/Filmografia:

• Luci’s Love Child (como Red Abyss) (1992) (Eurock)
• Rockbitch Live In Amsterdam (1997) (Crystal Rock Syndicate)
• Bitchcraft (Concerto e Documentário – Vídeo – 1997) (Proibido no Japão e EUA)
• The Bitch O’Clock News (Reportagens e Video Clips, 1998) Feito por Fãs nos EUA e Japão
• Motor Driven Bimbo (1999) (Steamhammer)
• Psychic Attack (2002) (Não Lançado)
• Sex, Death and Magick (Concerto e Documentário – Vídeo, 2002)

Site Oficial: http://www.rockbitch.com

Barata, nascido Luiz Carlos, no dia do Anti-Natal do ano da Graça do nascimento de Bruce Dickinson, Madonna, Michael Jackson, Cazuza e Tim Burton, é poeta, romancista, ensaista e contista, além de produtor de eventos e artista plástico. Cresceu escutando Beatles, Black Sabbath, Rush e Pink Floyd. Participou da geração mimeógrafo nos anos 1970, mas quando chegaram os filhos deixou de ser poeta e foi tentar ser homem, o que no entender de Bukowski é bem mais difícil. Trabalhou como office-boy, bancário e projetista de brinquedos. Apesar de ter escrito milhares de textos nunca ganhou um prêmio literário. Foi apaixonado por Janis Joplin, Grace Slick  e Patti Smith; casou quatro vezes e Atualmente procura pagar as contas trabalhando com criação de sites, edição e diagramação de livros e arte digital.

5 1 Vote
Article Rating
Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários